Fluconazol

Princípio ativo: fluconazol

Tratamento de candidíase vaginal aguda ou recorrente.

Fluconazol é geralmente bem tolerado. Os efeitos colaterais mais comumente associados ao Fluconazol têm sido aqueles relacionados ao trato gastrintestinal. Estão incluídas náusea, dor abdominal, diarréia e flatulência. Após os sintomas gastrintestinais, o segundo efeito colateral mais comumente observado tem sido rash. Dor de cabeça tem sido associada ao uso de Fluconazol. Em raros casos, assim como com outros azólicos, anafilaxia tem sido relatada com o uso de Fluconazol.

Uso durante a gravidez: Fluconazol tem sido pouco usado durante a gravidez em humanos. O uso durante a gravidez deverá ser evitado, exceto em pacientes com infecções fúngicas severas ou com potencial risco de vida e nos quais os potenciais benefícios possam superar os possíveis riscos ao feto. Uso durante a lactação: Fluconazol é encontrado no leite materno em concentrações similares às do plasma, e desta maneira seu uso em mulheres lactantes não é recomendado. Uso em crianças: os dados disponíveis sobre o uso de Fluconazol em pacientes com idade abaixo de 16 anos são limitados e, portanto, até o momento, seu uso não é recomendado nestes pacientes a menos que o tratamento antifúngico seja imperativo e não existam agentes disponíveis alternativos adequados. Não existem dados disponíveis sobre o uso de Fluconazol em neonatos e, desta maneira, seu uso em crianças abaixo de 1 ano não é recomendado. Gerais: a experiência tem mostrado que é improvável o comprometimento da habilidade para dirigir ou manejar máquinas com o uso do Fluconazol. - Interações medicamentosas: recomenda-se cuidadosa monitorização do tempo de protrombina em pacientes que estejam recebendo anticoagulantes cumarínicos. Fluconazol demonstrou prolongar a meia-vida plasmática de sulfoniluréias orais (clorpropamida, glibenclamida, glipizídeos e tolbutamida) quando administrado concomitantemente às mesmas em voluntários sadios. Fluconazol e sulfoniluréias orais podem ser co-administrados a pacientes diabéticos, porém a possibilidade de episódios de hipoglicemia deve ser considerada. Em um estudo de interação farmacocinética, a co-administração de doses múltiplas de hidroclorotiazidas em voluntários sadios que estavam recebendo Fluconazol aumentou a concentração plasmática desta última droga em 40%. Esta alteração não deverá requerer mudança do regime de dosagem de Fluconazol em pacientes que estejam recebendo também diuréticos, porém o prescritor deve ter em mente essas considerações. A administração concomitante de Fluconazol e fenitoína pode aumentar os níveis desta última droga para um grau clinicamente significante. Se necessário, administrar ambas as drogas concomitantemente; os níveis de fenitoína deverão ser monitorizados e a sua dose ajustada para manter os níveis terapêuticos. É improvável que o uso de doses múltiplas de Fluconazol possa ter efeito na eficácia do contraceptivo oral combinado. Estudos de interações têm demonstrado que quando Fluconazol oral é administrado concomitantemente a alimentos, cimetidina ou antiácidos não ocorre alteração clinicamente significante na absorção deste agente. Em pacientes que estejam recebendo terapia concomitante à rifampicina, um aumento da dose de Fluconazol deve ser considerado. Recomenda-se, uma monitorização da concentração de ciclosporina em pacientes que estejam recebendo Fluconazol.

Para dermatomicoses (tinha do corpo, do pé e crural) e infecções por Candida, Fluconazol deve ser administrado em dose oral única semanal de 150 mg. A duração do tratamento é geralmente de 2 a 4 semanas, mas nos casos de Tineai pedis um tratamento de até 6 semanas poderá ser necessário. Para candidíase vaginal, Fluconazol deve ser administrado em dose única oral de 150 mg. Idosos: em casos onde não há evidências de insuficiência renal, devem ser utilizadas as doses normais. Para pacientes com insuficiência renal (clearance de creatinina < 50 ml/min) deve estar ajustada conforme descrito abaixo. Pacientes com insuficiência renal: Fluconazol é excretado predominantemente de forma inalterada na urina. Não são necessários ajustes na terapia com dose única ou com dose única semanal desta droga. Em pacientes com insuficiência renal que utilizarão doses múltiplas de Fluconazol, uma dose inicial de 50 mg a 400 mg deve ser adotada. Após a dose inicial, a dose diária (de acordo com a indicação) deve estar baseada na tabela a seguir: clearance de creatinina (ml/min) > 50: 100% da dose recomendada; clearance de creatinina (ml/min) 21-50: 50% da dose recomendada; clearance de creatinina (ml/min) 11-20: 25% da dose recomendada; pacientes recebendo diálise regularmente: uma dose após cada sessão de diálise. - Superdosagem: quando ocorrer superdosagem o tratamento sintomático poderá ser adotado, incluindo, se necessário, medidas de suporte e lavagem gástrica. O Fluconazol é largamente excretado na urina; a diurese forçada deverá aumentar a taxa de eliminação. Uma sessão de hemodiálise de 3 horas diminui os níveis plasmáticos em aproximadamente 50%.

EMS Ind. Farm. Ltda.

É contraindicado em pacientes com conhecida sensibilidade à droga ou relacionados a compostos azólicos.

Caixa com 1 cápsula.

Cada cápsula contém: fluconazol 150 mg.Excipiente (celulose microcristalina, lauril sulfato de sódio, estearato de magnésio, amido, dióxido de silício coloidal) q.s.p. 1 cápsula.


× Atenção: Consulte um médico antes de tomar qualquer medicamento. O conteúdo disponibilizado por este site não pode em hipótese alguma substituir uma consulta médica. Tomar remédios ou iniciar tratamentos sem acompanhamento pode ser extremamente perigoso para sua saúde.
A Remediopédia tem como objetivo proporcionar informações sobre medicamentos de forma clara e objetiva. A Remediopédia não se responsabiliza pelo mal uso das informações disponibilizadas aqui.